sábado, 22 de maio de 2010

Tá tudo dominado.


Por Fabrício Samahá

Best Cars Website.

Destinados a pagar mais

De novo levantada, uma antiga questão ? por que os carros
no Brasil são tão caros? ? deixa uma frustrante conclusão*

Não é novidade para quem está bem informado sobre o mundo do automóvel ?
como os leitores do *Best Cars *? que os carros vendidos no Brasil são
caros demais em comparação aos de outros mercados. Já abordamos esse
assunto diversas vezes no Editorial, mas a oportunidade de voltar ao
tema veio ao ler a boa matéria a respeito publicada na revista /Exame/,
nesta semana, e disponível no site da publicação.

A matéria começa com um exemplo dos mais chamativos: o mesmo Honda City
fabricado em Sumaré, SP que é vendido no Brasil ao preço sugerido de R$
57.420 na versão de entrada (LX com caixa manual) custa apenas US$
20.100 (R$ 37.800 ao câmbio de R$ 1,88 vigente na data de publicação
deste texto) na vizinha Argentina. Portanto, pagamos quase R$ 20 mil ou
52% a mais ? e a diferença seria ainda maior se não houvesse a recente
alta do dólar, que na semana anterior valia cerca de R$ 0,10 a menos. Se
a comparação da /Exame/ fosse com o mercado mexicano, que também recebe
o City paulista, a diferença seria ainda mais flagrante: o LX manual
custa lá 210.000 pesos ou R$ 30.000, o que nos faz pagar 91% a mais,
quase o dobro. E dizer "o mesmo City" é ser benevolente com a Honda, já
que os mexicanos recebem a versão LX com sistema antitravamento (ABS)
nos freios ? para tê-los aqui é preciso passar ao EX ? e ambos os
mercados usam uma versão mais elaborada do comando de válvulas variável
i-VTEC, que resulta em potência superior em 5 cv
(120 contra 115 cv, ambos com gasolina).

Como sempre acontece nesse tipo de matéria, a revista passa a abordar
nossa desvantagem em termos de tributação. Não resta dúvida de que
pagamos impostos demais no Brasil: cálculo do IBPT (Instituto Brasileiro
de Planejamento Tributário) divulgado nesta semana aponta que até o
próximo dia 28, e desde 1º de janeiro, o brasileiro em média trabalha apenas para pagar a parcela do governo sobre seu patrimônio, sua renda
e tudo o que consome ? uma forma interessante de mensurar a escorchante
carga tributária que incide sobre todos nós.

Pois bem: a Exame relata que impostos como IPI, ICMS, PIS e Cofins
representam entre 27% e 36% do preço dos carros nacionais, contra 6,1%
dos vendidos nos Estados Unidos, 9,1% do Japão, 16% na Alemanha e 20% na
Itália. A carga tributária na Argentina e no México não foi citada, mas
informações que colhi há algum tempo indicavam pouco mais de 20% no
primeiro caso e 16% no segundo. O que leva ao cálculo: estimando 32% do
preço em impostos para o City no Brasil, 22% na Argentina e 16% no
México, os R$ 57.420 do mercado local deveriam se transformar em algo
como R$ 53.000 e R$ 50.500 para eles, na ordem ? o que está longe, muito
longe, do valor que eles realmente pagam. Para onde vai toda essa
diferença? A revista não respondeu, mas você pode imaginar.

Diferença que não se restringe ao City, naturalmente. O Civic Si
brasileiro custa na Argentina US$ 35.400 ou R$ 66.450, enquanto a versão
feita nos Estados Unidos, que tem equipamentos a mais (teto solar,
bolsas infláveis laterais), sai no México por 322.500 pesos ou R$
46.000. No Brasil ele custa R$ 103.650, o que dá 56% a mais que no
mercado argentino e impressionantes 125% acima do mexicano. Também não é
uma questão restrita à Honda. O "novo" Chevrolet Classic sai a 42.190
pesos (R$ 20.300) na Argentina e por 120.320 pesos (R$ 17.300) no
México, onde se chama Chevy e tem outro desenho na frente, contra R$
28.300 aqui ? 39% e 63% mais caro, na ordem. Com um detalhe: os
argentinos o recebem com motor de 1,4 litro e 94 cv e os mexicanos usam
um 1,6 de 100 cv, muito superiores a nossa versão de 1,0 litro e 79 cv.
Além da defasagem em desempenho e prazer em dirigir, isso implica que o
Classic "de cá" custaria ainda mais se não fosse agraciado com a menor
alíquota de IPI aos carros de 1,0 litro, uma distinção à qual sempre
fomos contrários ? mas isso é assunto para outro Editorial.

Pague dois, leve um
Motores diferentes também são usados no Vectra: a Argentina tem apenas
o de 2,4 litros, 16 válvulas e 146 cv, contra o de 2,0 litros, oito
válvulas e 140 cv usado no Brasil. Mesmo com um motor mais elaborado, a
versão completa de lá (CD com caixa automática) custa 99.510 pesos ou R$
47.860; a daqui (Elite, também automática), R$ 75.570 ? 58% a mais. Os
mexicanos não têm mais o Vectra, mas compram o picape leve Tornado ?
nosso Montana ? com motor de 1,8 litro a partir de 130.830 pesos ou R$
18.750, enquanto os brasileiros pagam R$ 30.415 (62% a mais) por um
modelo inferior, com acabamento básico e motor 1,4.

Vamos à Volkswagen. O CrossFox reestilizado, que acaba de chegar à
Argentina, oferece três níveis de equipamento e todos contam de série
com ar-condicionado e rádio/toca-CDs/MP3. O mais barato parte de 68.620
pesos ou R$ 33.000. E aqui? São R$ 53.520 com a adição desses opcionais,
aumento de 62%. Isso porque o carro é feito em São Bernardo do Campo, SP
e faz uma viagem até aquele mercado ? imagine se fosse o contrário. Não
é diferente com o Gol nacional vendido no México. A versão de entrada
com motor 1,6 sai por 111.900 pesos (R$ 16.000), ante R$ 34.500 do
mercado brasileiro. Inacreditáveis 115% de aumento, ou mais que o dobro,
para um carro ser vendido em seu próprio país em vez de fazer uma longa
jornada até o México!

Outro "aventureiro" nacional, a Fiat Idea Adventure, também está
presente naqueles mercados. Na Argentina, com o pacote de segurança
(bolsas infláveis e sistema antitravamento ABS) e o bloqueio de
diferencial que aqui vêm de série, a minivan custa 77.350 pesos ou R$
37.200; no México vem com ABS, bancos revestidos em couro e garantia de
dois anos (o dobro da nossa) por apenas 197.900 pesos ou R$ 28.400. Aos
brasileiros, com bolsas e ABS, mas sem couro, custa R$ 56.900, que são
52% a mais que o preço argentino e o /dobro/ do valor mexicano. Para
fechar com as "quatro grandes", um Fiesta sedã 1,6 começa em 53.080
pesos (R$ 25.500) na Argentina e 145.400 pesos (R$ 20.750) no México, no
segundo caso já com ar-condicionado, que aqui é opcional. No Brasil ele
parte de R$ 37.650, portanto 47% a mais que no país vizinho e 81% acima
do mercado mexicano. Se serve de consolo, o motor flexível do "nosso"
tem de 11 a 13 cv adicionais às unidades a gasolina usadas nos outros...

Em todos esses casos, os preços do mercado brasileiro estão isentos de
Imposto de Importação por ser tratar de produtos nacionais. Sobre carros
importados, com exceção dos trazidos do México e dos países do Mercosul,
incide a alíquota de 35% e é natural que os preços subam. Só que sobem
demais ? sinal de que se ganha muito vendendo carros por aqui, mesmo
quando o governo exige uma fatia mais generosa do bolo.

O pequeno Smart Fortwo com motor turbo de 84 cv, em versão fechada,
custa no México US$ 14.950 ou R$ 27.750 (não é vendido na Argentina), e
aqui, R$ 57.900 ? mais que o dobro. O Audi A4 V6 de 3,2 litros com
tração integral sai a US$ 77.350 (R$ 143.500) aos argentinos, US$ 52.600
(R$ 97.600) aos mexicanos e R$ 238.500 aos brasileiros, que pagam 66%
mais que os primeiros e 144% mais que os segundos. Está vermelho de
raiva? Pois ficará roxo com o próximo exemplo. O sedã superesportivo BMW
M5, uma fera de mais de 500 cv no motor V10, custa no Brasil R$ 554.000;
no México, US$ 117.400 ou R$ 218.000; e na Argentina, US$ 171.900 ou R$
319.000. Isso significa que nosso preço é 73% mais alto que o dos
argentinos e espantosos 155% maior que o dos mexicanos. Isso mesmo:
paga-se aqui o valor de dois carros e meio naquele país. Não há Imposto
de Importação que justifique tamanha diferença!

O que explica todo esse quadro é algo mais difícil de expressar em
números, mas que está muito claro: aceitamos pagar caro ? muitas vezes
por automóveis inferiores ? desde o início de nossa indústria. Mesmo que
a concorrência tenha aumentado tremendamente em termos de número de
marcas no mercado, cada uma delas sente-se à vontade para acomodar seus
preços em altos patamares. O tema "por que nossos carros custam tanto",
recorrente na imprensa desde muitas décadas atrás, desperta curiosidade
ou mesmo revolta por algum tempo, mas logo é esquecido e nada faz a
situação mudar. Os índices de produção e vendas da indústria falam por si.

Pagar mais, muito mais talvez esteja mesmo no destino dos brasileiros.

0 comentários:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
 

Contador de acessos

Marcadores

pt (25) enquete (17) Dilma (15) cinema (15) brasil (12) futebol (11) f1 (10) corrupção (9) esporte (9) desgoverno pt (8) mensalão (8) comunismo socialismo (7) curiosidade (7) eua (7) lula (7) Lula corrupto (6) corruptos (6) humor (6) comunistas (5) copa 2014 (5) mundial (5) tv (5) youtube (5) Thatcher (4) basquete (4) derrota (4) esquerda (4) filme (4) governos militares (4) presidente (4) Estátua de lula (3) Reagan (3) economia (3) eleição (3) globo (3) lulálcool (3) natal (3) orkut (3) tecnologia (3) video (3) 31 de Março (2) 80s (2) Brasileiros (2) Carros caros (2) Flashback (2) Forró (2) Impeachment (2) Itamar Franco (2) Mixed set (2) Natal 2014 copa (2) PC do B (2) Piada besta (2) TV aberta (2) ayrton (2) battisti (2) bin laden (2) bolsa família (2) chavez (2) che assassino (2) deputados (2) e-mail (2) escandalo (2) esquerdismo (2) família sadia (2) feminismo (2) gisele bundchen (2) governador (2) idiotas úteis (2) inflação (2) inglaterra (2) justiça (2) marxismo (2) marxistas (2) mentira (2) micarla (2) mixtape (2) mulher (2) neymar (2) obama (2) pachecada (2) politicamente incorreto (2) porno (2) quadrilha do pt (2) racismo (2) ronaldinho (2) set mixado (2) stf (2) venezuela (2) viadagem (2) violencia (2) 1000 gols (1) 1000 postagens (1) 2011 (1) 27 anos (1) 60000 VISITAS (1) 7 de setembro (1) ABC FC (1) Adesivo para carro (1) Amy and Tony (1) Arena das dunas (1) BBB (1) Bolsonaro (1) Capitalismo (1) Comissão da verdade (1) Comunismo (1) Dance music (1) Diário de Natal (1) Do Fundo do Baú (1) Dominguinhos (1) Dívidas interna e externa (1) Elefante contra leões (1) Eleições livres (1) Elvis Preley (1) FHC (1) FHC demagogo (1) Feliz Natal (1) Fidel Castro (1) Franklin Martins (1) Gaddafi (1) Hugo Chavez (1) INELEGIVEIS (1) Igreja Católica (1) Jabor (1) Jesus Cristo (1) José alencar (1) Juizes e promotores (1) Lampião (1) Lula bêbado (1) Lula comunista (1) Lula e Fidel (1) Lula mentiroso (1) Lula multado (1) Luladrão (1) Mano Brown (1) Michael Jackson (1) Monteiro lobato (1) Mulheres (1) OVNIs (1) PM (1) Padre Fábio (1) Padre Marcelo Rossi (1) Pai nosso (1) Palocci (1) Patrulha ideológica (1) Paul McCartney (1) Paul o polvo (1) Petismo (1) Petralha (1) Prof.Amanda (1) Páscoa (1) Quem sou eu (1) Radicalismo gay (1) Roberto Carlos (1) Saramago (1) Serra 45 (1) Sousa (1) Trump (1) Twitter (1) Túlio maravilha (1) Wagner Moura (1) acessoria (1) adeus cachorro (1) afeganistão (1) amazonia (1) amigos (1) américa rn (1) anatomia de um nordestino (1) anticomunismo (1) arnaldo jabor (1) arte moderna (1) atraso nas obras (1) baianos (1) barretos (1) biografia (1) boca juniors (1) bozo (1) brasileiros otários (1) briga de gato (1) bueno (1) cai-cai (1) caiu na merda (1) calcinha (1) campeão (1) capoeira (1) carlinhos cachoeira (1) carnatal (1) carnaval não presta (1) carros e educação (1) cartas de natal (1) cbf (1) celulas-tronco (1) censo 2010 (1) charge (1) charme funk (1) chavismo (1) chivas 18 (1) chuva (1) chávez (1) cicarelli (1) cleber machado (1) comportamento (1) congresso nacional (1) congresso nacional do PT (1) conquista amorosa (1) conselho médico (1) coreia (1) costinha (1) cpi (1) craques (1) criança esperança (1) crise econômica (1) crise grega (1) crueldade com animais (1) cruz tribunais (1) cuba (1) dance underground 90s (1) demagogia (1) democracia (1) desarmamento (1) desrespeito religioso (1) destruição da família (1) didi (1) ditabranda (1) documentario (1) educação (1) ensino (1) entrevista (1) escroto (1) espanha (1) esquerda x direita (1) falência (1) ferias (1) ferreira gullar (1) fifa (1) fisiologismo (1) floresta (1) fora mano menezes (1) fracasso (1) futebol brasileiro (1) g1 (1) galvão (1) gasolina (1) gatos (1) governadores (1) gp (1) gretchem (1) guerra (1) gugu (1) henrique alves (1) herança maldita (1) heróis de filmes (1) heterossexual (1) hipocrisia contra a policia (1) homem (1) house music (1) humberto (1) igrejas evangélicas (1) impostos (1) imprenssa (1) internet (1) iraque (1) islamismo (1) jameson (1) jenna (1) jong-il (1) julgamento (1) juliana (1) kim (1) legalização (1) lewandowski (1) livros (1) locadora de mulher (1) luiz gonzaga (1) lulálcool bêbado (1) maconha (1) malandro (1) mandato (1) marcha das vadias (1) maçom (1) mega sena (1) memes dirty harry (1) miami (1) mixagens (1) morte de bezzero (1) mudanças sociais (1) musica (1) médicos cubanos (1) música (1) negra (1) nelson (1) nelson motta (1) nelson rodrigues (1) nina a hamster (1) nordeste (1) norte (1) oscar (1) paes (1) pan (1) paraguai (1) parreira (1) pedofilia (1) pele (1) pena de morte (1) piadas machistas (1) pirataria (1) playboy (1) podcast (1) politica brasileira (1) politica e internet (1) politica externa (1) política (1) ponta (1) povo (1) presidio (1) preto (1) professores (1) progressismo (1) ptc (1) rbd (1) reforma política (1) religião (1) remix (1) repressão (1) reveillon (1) ricardo texeira (1) rio são francisco (1) rolezinhos (1) romario (1) rosalba (1) rugby (1) sabão omo (1) saddan (1) sampa (1) sbt (1) senado (1) sergio (1) sergio cabral (1) severino (1) sexo e saúde (1) som automotivo (1) sos (1) steve jobs (1) suicidas úteis (1) terrorismo no brasil (1) times odiados (1) tiririca (1) torcer futebol (1) transposição (1) tribunais brasileiros (1) turistas (1) universidade (1) vagabundagem (1) vexame brasileiro (1) viado e sapatão (1) vice (1) violência (1) viver (1) volei (1) xaxá (1) xeque (1) yoani sánchez (1) zé lezin (1)
Este blog possui atualmente:
Comentários em Artigos!